< VOLTAR

A Agência Nacional de Saúde Suplementar quer te ouvir sobre o tratamento da enxaqueca crônica

Publicado 15/10/2020
Enxaqueca crônica

A enxaqueca é a segunda maior causa de incapacidade entre todas as doenças¹, segundo a Organização Mundial de Saúde, e a primeira causa de incapacidade em indivíduos abaixo de 50 anos².

Além da dor que pode impedir o indivíduo de realizar suas atividades diárias, a enxaqueca crônica está associada às comorbidades, como depressão, ansiedade, dor crônica e sintomas alérgicos³. 

O tratamento da enxaqueca crônica tem o objetivo de melhorar a qualidade de vida do paciente, sendo o tratamento preventivo o que demostra melhores resultados para a redução da intensidade e da frequência das crises4

A partir do dia 08 de outubro de 2020, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) passa a ouvir a sociedade, por meio de consulta pública online, para avaliar a inclusão do tratamento preventivo para enxaqueca crônica5, na lista de coberturas obrigatórias para os planos de saúde.

Veja o passo-a-passo para participar:

1º Passo: acesse o site: http://www.ans.gov.br/

Clicar no menu  (barra azul) > Participação da Sociedade > Consultas e Participações Públicas

2º Passo: Procure por “Consultas Públicas em Andamento” e clique em “Participar” no item “Consulta Pública nº 81 - Atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde – Ciclo 2019/2020”

3º Passo: Nesta página, você tem acesso a todos os documentos com as informações necessárias para participar. Abaixo dos documentos estão os links para fazer a sua contribuição, selecione o link:“ Consulta Pública nº 81 - Contribuições para recomendações relacionadas às propostas de procedimentos”. 

4º Passo:  Aqui há um quadro no final da página para você deixar o seu comentário. Primeiro escolha o assunto da sua recomendação, neste caso é o 140_TRATAMENTO DA MIGÂNEA CRÔNICA, depois escolha a opção que corresponde a sua opinião e justifique. Na justificativa você deve contar como foi a sua experiência com a medicação ou com a doença e se acha que o tratamento deve entrar no rol de procedimentos obrigatórios para a cobertura dos planos de saúde. Inclua o seu comentário para continuar