< VOLTAR

Como equilibrar enxaqueca e trabalho

Publicado 26/09/2019
Enxaqueca crônica

Muita gente ainda acha que enxaqueca é frescura, apenas uma dorzinha de cabeça. Afinal, quem nunca teve que lidar com o olhar desconfiado do chefe quando não conseguiu trabalhar por conta da dor?

A enxaqueca crônica é a doença mais incapacitante do mundo entre pessoas com menos de 50 anos¹. A pesquisa My Migraine Voice realizada pela European Migraine & Headache Alliance, com 11 mil pessoas de 31 países, incluindo o Brasil, mostrou que embora a maioria dos empregadores (63%) soubesse sobre diagnóstico de enxaqueca dos seus funcionários, apenas 18% ofereciam apoio².

 Como a enxaqueca é predominante em pessoas em idade produtiva, ou seja, que geralmente estão ativas no mercado de trabalho, é importante encontrar mecanismos que possam ajuda-las a terem mais qualidade de vida e com menos impacto às suas atividades de trabalho. Assim como conscientizar empregadores sobre as consequências efetivas da doença, especialmente da enxaqueca crônica

Algumas dicas podem ajudar: 

Identifique os seus gatilhos de crise: Para identificar os gatilhos é preciso fazer um diário da enxaqueca, observar e anotar detalhadamente o seu dia a dia. Assim, identificará mais facilmente os fatores alimentares, ambientais ou emocionais que te afetam. Conhecendo os gatilhos se torna mais fácil saber quais evitar.  

Gerencie a sua agenda:  A rotina é importante para o enxaquecoso, por isso, é preciso manter horários regulares para se alimentar, dormir, fazer atividade física, trabalhar e relaxar. Isso ajuda o corpo a entender o que esperar, especialmente porque quem sofre com dores de cabeça tende a ser muito sensível às mudanças. 

Trate os primeiros sintomas das dores de cabeça: quanto antes começar o tratamento melhor. Medicar e mudar hábitos quando a enxaqueca apresentar os primeiros sintomas é mais simples do que quando ela já se tornou crônica. Mas atenção, nunca se automedique, apenas o neurologista pode indicar o medicamento correto para o seu caso.

Tratamentos preventivos também funcionam para os casos crônicos: os tratamentos preventivos atuam evitando o desencadeamento das crises e/ou diminuindo a sua intensidade. Existem medicamentos orais e injetáveis específicos para estes casos, como o topiramato e a toxina botulínica A.  Ambos devem ser prescritos pelo médico neurologista.

Controle o seu nível de estresse: o estresse é um gatilho comum para as dores de cabeça, e geralmente estão ligados ao ambiente de trabalho.  Atividade física e técnicas de relaxamento podem ajudar a controlar as reações físicas e emocionais diante dos fatores que desencadeiam o problema.

Assim como qualquer doença, a enxaqueca deve ser acompanhada por um profissional apto para esta função, que no caso da enxaqueca é o neurologista. O tratamento é a melhor forma de evitar as crises e ter mais qualidade de vida. 

¹ https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5821623/

²https://thejournalofheadacheandpain.biomedcentral.com/articles/10.1186/s10194-018-0946-z 



TESTE O IMPACTO DA ENXAQUECA NA SUA VIDA

Você já se perguntou “Quanto a enxaqueca me afeta?”. Faça o teste e descubra como a dor tem impacto em sua vida pessoal e profissional. O prejuízo pode ser maior do que você imagina!

SAIBA +
DIÁRIO DA ENXAQUECA

Baixe o aplicativo e anote suas atividades diárias e as informações sobre as crises de dor. Esses detalhes podem ajudar o especialista no seu diagnóstico! É rápido e simples.

SAIBA +
ENCONTRE UM MÉDICO

Localize os médicos, membros da Sociedade Brasileira de Cefaleia, indicados para diagnosticar enxaqueca crônica e prescrever o tratamento adequado para seu caso.

SAIBA +